Máquina de Solda Inversora e Transformador de Solda: Você sabe o que difere uma da outra? Confira o nosso post e saiba tudo sobre essas duas máquinas de solda.

Eles são grandes, potentes e por muitos anos dominaram o mercado. Por outro lado, elas são novas, possuem um visual moderno, são leves e compactas e, ainda assim, capazes de fazer tudo e até um pouco mais.

 

Dois equipamentos com características distintas e a mesma função.

Estamos falando de máquinas de solda, das alternativas entre a segurança do antigo e robusto transformador e a modernidade da nova máquina de solda inversora.

O mundo está cada vez mais aberto às escolhas, de opções variadas em todos os campos de trabalho que também se apresentaram ao mercado de soldagem. E isso leva a questionamentos novos como justamente o que dá título a este texto.

Afinal de contas, qual a diferença entre transformadores e inversoras de solda? Quais elementos presentes em um e que estão também disponíveis no outro? E quais características são exclusivas de cada modelo?

 

Tamanho não é documento. Ou será que é?

A diferença entre os produtos fica clara ao expor um ao lado do outro.

Os transformadores de solda são equipamentos robustos, capazes de lidar com o ambiente das metalúrgicas, serralherias, oficinas e que normalmente exige materiais resistentes, já as inversoras de solda, se destacam por serem compactas e, por consequência, fáceis de se transportar por alças fixas ou removíveis.

 

E aí aparece o primeiro diferencial…

A máquina de solda inversora chegou ao mercado com a proposta de facilitar alguns trabalhos – especialmente os de manutenção – em locais nos quais seria difícil chegar com um transformador.

Dessa maneira, serviços de serralherias, que exigem operações em telhados, por exemplo, se tornam muito mais simples se o soldador tem à mão uma máquina leve e que pode ser levada a qualquer lugar. As inversoras chegam a pesar 30% de um transformador.

Por se tratar de equipamentos portáteis, as inversoras de solda não apenas são mais práticas na hora de se transportar como também para serem armazenadas. De tal forma que, o espaço destinado a elas na serralheria ou fábrica será muito menor do que para a mesma quantidade de transformadores.

O aproveitamento de espaço, portanto, é um ponto favorável às inversoras.

 

Comparação

Para efeito comparativo, uma transformadora vai ter mais de meio metro de comprimento (65 centímetros de referência) e 45,5 centímetros de altura. Certamente ela vai gerar certo transtorno para ser transportada de um lugar para outro para a execução de um trabalho.

Já uma máquina de solda inversora mede, em média, 24 centímetros de comprimento por 19 centímetros de largura e 20 centímetros de altura.

 

Inversoras são compactas, mas potentes

Pela lógica diríamos que os transformadores são tão mais potentes por serem maiores que as pequenas e inovadoras soldadoras. E a resposta é não!

A máquina de solda inversora é compacta no tamanho, mas gigante na potência. Elas operam na faixa dos 100 kHz, enquanto seu antecessor neste caso trabalha na faixa dos 60 kHz.  Na prática, faz com que a dissipação eletromagnética seja facilitada, mesmo trabalhando com um transformador bem menor.

No caso das inversoras de solda, as mais inteligentes do mercado, são dotadas ainda de uma função que facilita a abertura do arco de solda.

Imagine que você tenha que trabalhar com eletrodos que estejam úmidos em razão de terem sido armazenados de forma incorreta. Até mesmo que as peças com as quais tenha que trabalhar estejam ligeiramente sujas ou enferrujadas.

Você teria um problema pela frente, certo? Não se a sua inversora for capaz de, por conta própria, identificar o problema e ajudar na solução.
Mas como?

Aumentando a corrente de solda de forma automática durante um curto espaço de tempo. O suficiente para que a abertura do arco de solda ocorra de forma perfeita.

 

A tecnologia torna equipamentos inteligentes

Por falar em tecnologia, a diferença entre transformadores e inversoras de sol se torna maior que uma simples questão de tamanho físico.

A máquina de solda inversora se apresentou ao mercado amparada por circuitos eletrônicos. Na prática, isso significa mais eficiência e conforto nos momentos de mudança de corrente e tensão, além disso, ela oferece ao soldador a possibilidade de trabalhar com um número muito maior de eletrodos.

Ademais, as melhores máquinas do mercado, mais modernas e eficazes, são capazes de soldar todo e qualquer tipo de eletrodo.

Merece destaque ainda a facilidade proporcionada pelos displays digitais disponíveis nas máquinas mais atualizadas. A regulagem de potência se torna mais simples e precisa.

 

Por outro lado

Os transformadores possuem as limitações comuns a equipamentos concebidos sem a disponibilidade atual da tecnologia. São máquinas simples, com a limitação de trabalhar com eletrodos E6013/OK4. Susceptíveis a contratempos, como por exemplo, o eletrodo ficar grudado quando há variação para uma tensão menor que 220V.

 

Sem riscos de o eletrodo grudar

Os equipamentos do tipo máquina de solda inversora contam com dispositivos tecnológicos que facilitam a vida do profissional.

Existem no mercado equipamentos capazes, de perceber que o eletrodo vai grudar na peça durante a execução do serviço. Esses atuam sem qualquer intervenção do soldador, aumentando automaticamente a corrente de soldagem, uma “força extra” que evita o contratempo.

Da mesma forma, as máquinas mais inteligentes do mercado são capazes também de detectar a necessidade de interromper o envio de amperagem. Se for o caso, também com o objetivo de evitar que o eletrodo fique grudado na peça. Isso não apenas garante que o resultado final do trabalho seja um cordão de solda macio, suave e estável. Também evita prejuízos financeiros com a perda de matéria-prima e do produto que está sendo soldado.

 

Com qual eletrodo posso trabalhar?

Direfenças entre máquina de solda inversora e transformador de solda: Os equipamentos mais antigos, basicamente, costumam trabalhar apenas com o eletrodo E6013.

Esse eletrodo é considerado o mais popular do mercado, o famoso “pau pra toda obra”. A composição do seu revestimento possui um alto percentual de dióxido de titânio. Com ele, é possível se trabalhar chapas finas em todas as posições como foi desenvolvido para um arco de baixa penetração, pode ser empregado em trabalhos com metais de espessura fina sem o risco furar a peça.

Quanto às indicações de uso, as principais são para soldagens simples, tipo metalon, juntas mal preparadas e ponteamentos. O E6013 também pode ser aplicado em caldeiras, serralherias, equipamentos agrícolas, chapas galvanizadas e tubulações de um modo geral.

O revestimento deste tipo de eletrodo possui ainda compostos de potássio que atuam para estabilizar o arco em corrente alternada, justamente a utilizada pelas transformadoras.

 

Máquina de solda inversora moderna: trabalha com vários eletrodos

Já as máquinas inversoras mais modernas possuem tecnologia capaz de utilizar praticamente todos os tipos de eletrodos disponíveis no mercado. Os principais deles são E7018, Ferro Fundido, Aço Inox, Alumínio e até o temido E6010.

 

E7018

é usado principalmente em estruturas metálicas que exigem grande resistência à ruptura. Pode-se incluir nesta lista as de edificações, de construção naval, de vasos de pressão, de juntas específicas de aço com grande resistência, de indústria mecânica, para soldagem de campo e manutenção de equipamentos em geral.

 

Ferro Fundido

Possui alma em níquel puro e permite a soldagem do metal a frio ou com um nível moderado de pré-aquecimento. Isso acontece quando o metal depositado requer usinagem posterior. É excelente para reconstruções, enchimentos, reparos de trincas e junções de ferros fundidos com bronze.

 

Aço Inox

As principais características são a alta resistência à oxidação, tração, trincas e à ação de substâncias químicas, além da facilidade de remoção de escórias. A aplicação é indicada a segmentos como reparo em tanques, tubulações de aço inoxidável para produtos químicos e alimentícios. Também para reparos de molas, trilhos de guindastes e para a reconstrução de dentes de engrenagens de aço.

 

Alumínio

Tem importante atuação no processo de conserto de peças de alumínio que não necessitem de um acabamento excelente. Tem indicação para reparos de cilindros de ventiladores, encaixes, chapas de base, telas e perfis laminados.

No processo de manutenção, nem sempre é possível utilizar os processos TIG e MIG para unir as peças, então, a máquina de solda inversora entra em ação para resolver o problema.

 

E6010

Por fim, esse eletrodo foi projetado para trabalhar com juntas de aço doce, ou seja, aqueles materiais com baixos teores de carbono e de ligas. Seu revestimento produz baixa escória e a remoção dela é facilitada com isso. É recomendado para soldas chamadas de “multipasses”, principalmente nas posições vertical e sobre cabeça.

Sua aplicação é sugerida para tubulações em geral, inclusive de gasodutos, minero dutos e oleodutos, para as construções metálicas, naval, viadutos, pontes, chapas galvanizadas e tanques, por exemplo.

 

O custo da manutenção dos equipamentos

Uma característica que sempre fez dos transformadores uma boa opção de compra é seu custo de manutenção, pois encontrar peças de reposição é uma tarefa fácil e o valor de reparo normalmente pode ser considerado baixo.

Quando se trata de máquina de solda inversora, o proprietário do equipamento está na dependência de uma boa empresa ou de um técnico para o conserto.

Atualmente, no Brasil, a principal ação dos assistentes técnicos se resume à troca da placa para fazer o equipamento voltar à ativa. E isso pode custar caro.

Acontece que a maioria das máquinas deste tipo continua sendo constituída por uma única placa. Em caso de defeito só há dois caminhos: consertar ou trocar. Contudo, mesmo para estes casos já estão surgindo alternativas no mercado que apoiam a escolha pelas inversoras de solda.

Inversoras de solda

Um novo equipamento que já pode ser encontrado nas lojas especializadas traz como inovação um novo conceito de estrutura.

Projetada de forma modular, essa máquina de solda inversora tem por características agilizar a identificação de possíveis problemas e baratear o custo dos possíveis consertos, limitando o trabalho à substituição de uma das placas e não do conjunto completo.

Vida útil prolongada para o equipamento, evitando prejuízos para o empresário ou profissional autônomo.

 

Custo-benefício na hora da operação

A ​moderna ​máquina de solda inversora é ​capaz ​de ​soldar ​qualquer ​tipo ​de eletrodo ​e ​isso ​se ​torna ​um ​grande ​atrativo ​para ​sua ​aquisição. ​Afinal ​de ​contas, ​o ​mesmo equipamento ​é ​capaz ​de ​realizar ​várias ​tarefas, ​soldando os mais ​diversos tipos de ​materiais apenas trocando o tipo de eletrodo.

Outra adaptação que pode ser feita facilmente é para a solda TIG.

Com uma inversora de boa qualidade, é possível, apenas com uma tocha TIG e um cilindro de gás argônio, passar a soldar esse processo.

Como são vários os tipos de eletrodos que podem ser utilizados, também é variada a relação de trabalhos que podem ser feitos com as inversoras de solda.

  • Gasodutos;
  • Minero dutos;
  • Oleodutos;
  • Construções metálicas;
  • Indústria naval;
  • Viadutos;
  • Pontes;
  • Chapas galvanizadas;
  • Tanques;
  • Caldeiras;
  • Serralherias;
  • Equipamentos agrícolas;
  • Chapas galvanizadas;
  • Tubulações em geral;
  • Construção de perfis;
  • Enchimentos (como de virabrequins);
  • Edificações;
  • Indústria mecânica;
  • Materiais que exijam alta resistência;
  • Reparos de cilindros;
  • Reparo de ventiladores;
  • Encaixes;
  • Chapas de base;
  • Telas;
  • Perfis laminado;
  • Reparos de molas,
  • Trilhos de guindastes;
  • Reconstrução de dentes de engrenagens de aço;

As ​transformadoras, ​por ​sua ​vez, ​como ​já ​dissemos, ​são ​limitadas ​nesses ​aspectos.

 

Ciclo de Trabalho: Capacidade de operar sem parar

E quanto à eficácia do trabalho?

Os melhores transformadores costumam operar com ciclos de trabalho de 30%, ou seja, a cada dez minutos, pode-se utilizar a máquina por três minutos e é preciso deixá-la em descanso pelos outros sete minutos para que o equipamento se resfrie.

No caso da máquina de solda inversora, essa capacidade sobe normalmente para algo em torno dos 60% (seis minutos de trabalho por quatro de descanso), reduzindo sensivelmente a necessidade de parada.

O mercado, contudo, já disponibiliza equipamentos com capacidade de operação em 100% do ciclo. Isso representa um evidente ganho de tempo e produção que, no fim das contas, significa economia e rapidez na entrega do serviço.

 

Consumo e fontes de energia

Em relação ao consumo de energia, ponto a favor da máquina de solda inversora. Graças à sua tecnologia moderna, esse tipo de equipamento, se mostra comprovadamente mais eficaz na economia de energia. Sua economia pode chegar a economizar 50% do gasto de um transformador de solda.

E não é só isso.

Como surgiram com a proposta de oferecer praticidade na hora da execução do trabalho, algumas máquinas inversoras de solda também são a melhor opção por poder ser operadas longe das tradicionais fontes de energia.

Para trabalhos no campo, por exemplo, você pode alimentar esse tipo de equipamento por meio de um gerador com potência de 5 kVA a 10 kVA, conforme o modelo da sua máquina.

Uma solução simples, prática e eficiente.

 

Escolha certa para quem precisa de um equipamento em casa

Outra vantagem incontestável da máquina de solda inversora está no fato de que esse tipo de equipamento pode ser adquirido e utilizado até mesmo por quem precisa fazer apenas pequenos reparos em casa ou mesmo por hobby.

Nesse caso, a escolha recai sobre uma máquina que tenha diferenciais como uma regulagem de potência facilitada por display digital, com a melhor precisão e, ao mesmo tempo, que não deixe a desejar em potência.

Alguns modelos mais modernos possuem visor de alto brilho e a regulagem por meio de teclas, o que representa uma ajuda tanto para quem trabalha com esses equipamentos no dia a dia como para quem só vai usar mesmo nos finais de semana ou em ocasiões isoladas.

Esse equipamento pesa em torno de três quilos, o que explica também a sua facilidade para transporte.

 

Máquina de Solda Inversora e Transformador de Solda

Os dois equipamentos são úteis e podem muito bem trabalhar em complemento um do outro.

Os bons e velhos transformadores continuam tendo uma função importante no processo de soldagem. Esses equipamentos robustos acabam tendo seu lugar em ambientes que exigem uma operação mais “rústica” e ​ainda são ​uma alternativa eficiente ​na ​soldagem ​com ​eletrodos ​revestidos.

Mas a tecnologia também dá amparo e torna mais eficientes os serviços do dia a dia. E para isso você pode contar com a agilidade e otimização de espaço de um equipamento moderno e com ciclo de operação mais eficiente, algo disponível nessas pequenas notáveis.

Se pudéssemos resumir as funcionalidades das inversoras, teríamos:

  1. Tecnologia inovadora.
  2. Capaz de auxiliar processos de forma inteligente, como facilitar a abertura de arco e impedir que os eletrodos grudem na peça.
  3. Capacidade de soldar qualquer tipo de eletrodo.
  4. Pode trabalhar sem parar, ou seja, sem se preocupar com ciclo de trabalho.
  5. Pode ser levada para qualquer lugar.
  6. Pode ser operada à distância da fonte de energia tradicional.
  7. Valor de manutenção barateado com novos produtos.

 

Agora que você sabe sobre as diferenças entre máquina de solda inversora e transformadora de solda. Decidiu qual delas é a ideal para o seu negócio? Compartilhe conosco a sua resposta nos comentários.