Curto circuito

O processo Mig  Mag com transferência por curto-circuito engloba os processos que são realizados com baixos níveis de corrente e diâmetro do arame.

Esse modo de transferência causa uma incidência maior de respingos de solda, as famosas bolinhas. Embora isso possa ser “evitado” em máquinas com uma indutância bem equilibrada.

A transferência nesse caso ocorre apenas quando o arame toca a poça de fusão. A medida que o metal fundido na ponta do arame toca o metal base a transferência ocorre.

Os gases geralmente utilizados nesse modo de transferência são misturas de Argônio e CO² (75%/25%) ou CO² puro.

Em processos industriais a transferência por curto circuito é desejada em soldas fora de posição, ou seja, vertical ou sobre cabeça.

Spray

Também chamada de transferência aerosol, ela ocorre quando é utilizada alta taxa de corrente, no caso acima da corrente de transição, que demanda o ponto em que transferência muda de globular para spray.

As gotículas produzidas têm tamanho menor que o comprimento do arco, e são transferidas pela gravidade dentro do da área formada pelo arco elétrico e protegida pelo gás de proteção

. Isso faz com que o processo seja aplicável na posição plana para aço carbono, exceto com a utilização de arames de diâmetro 0,9 / 1,0mm onde a poça de fusão é pequena e podem ser soldados fora de posição.

Esse método gera níveis de respingos mais baixos que o curto-circuito.

A transferência por “spray” ocorre apenas com nível de corrente acima da corrente de transição, com gás inerte ou com misturas de gases inertes contendo no máximo de 15 a 18% de C02.

Globular

Este modo de transferência ocorre no ponto entre a corrente de curto-circuito e spray. Sua característica é produzir gotas com tamanho maior que o arco, e por vezes o curto-circuito também ocorre, o que faz com que o método não seja indicado pois é instável e produz altos níveis de respingos.